Quais as características de um discípulo?

Ser discípulo é querer crescer, somente aquele que descobre a alegria e o excitamento de crescer está preparado para liderar o povo de Deus. Crescer é estar aberto a novos lugares, novas experiências e novos desafios. Ser um discípulo significa muitas vezes ficar sozinho, ter uma pequena fé, sentir medo ou dúvidas, mesmo assim seguir em frente sem desistir apesar do medo.

Você já passou por alguma dessas fases?

É ter fraquezas, sabendo que nelas o poder de Deus aperfeiçoa-se, ser livre, mas tornar-se escravo de todos, aprender a servir e amar o próximo como a você mesmo.

É viver numa fronteira, numa corda bamba, andando por um fio, entre a vitória e a derrota, entre o sucesso e a queda.

Viver uma criativa tensão entre fé e medo, entre crer e não crer,  muitas vezes dizer: “Se possível passa de mim este cálice”.

Qual deve ser a atitude do discípulo durante as crises?

É na crise que surgem nossos velhos fantasmas e problemas, entretanto, Deus faz nascer novas oportunidades e nos revela passos para adiante, fazendo com que vivamos no presente Seu futuro reino, é trazer o que não existe para o agora e para o já!

É ter um estilo de vida tal, que uns respeitam, outros critiquem e muitos outros querem imitar.

Ser um discípulo é viver com um Deus criativo, que cada dia faz acontecer algo novo, de tal modo que nos é impossível relatar todas as nossas experiências.

É ter a experiência do ontem, mas viver um novo e pleno hoje.

Na presença de Deus existe dinâmica e alegria. Deus é Deus da aventura e do excitamento.

Rotina não existe no dicionário de Deus. Seja discípulo!

O líder e seus compromissos ministeriais

O líder é alguém que foi instituído por Deus para realizar as tarefas de acordo com seu chamado, muito observado, passa por situações adversas no decorrer do seu ministério.

Veja alguns compromissos assumidos pela pessoa quando se torna um líder:

Fazer o possível, procurando sempre me lembrar, pedindo a amigos, esposa e, em oração, de que prazer, poder, popularidade e posses são ferramentas que me foram graciosamente concedidas pelo Senhor, ficar atento para a essência, para o conteúdo que alimenta o povo de Deus, ciente de que não existe diferença, senão nas ferramentas que cada um maneja  em suas funções. Nem me sentir superior, nem o contrário, o poder e a liderança são ferramentas para servir, portanto, não devo achar que a obra e os membros são meus, mas dispor-me a servi-los e ao Senhor.

Além do serviço ministerial é necessário ter uma vida com Deus

Lembrar-me sempre de que, ainda que seja um seminarista, um líder, um clérigo, estou sujeito a não buscar uma vida de intimidade com Deus, substituindo a obra de Deus pelo Deus da obra.

Preciso resistir às pressões da sociedade, igreja e família e concentrar-me na essência do cristianismo, Cristo.

Procurar manter a mente alinhada com os padrões de Deus, para ser exemplo, referência, modelo do rebanho, de tal modo a ter influência positiva sobre os demais, mantendo sempre a postura da criança que deseja aprender.

Ser coerente com minha filosofia de ministério: pronto para aprender; pronto a repartir, pronto para servir; atento às oportunidades.

Sensível a família, dando prioridade ao chamado, preciso buscar prazer e satisfação naquilo que é nobre, procurando gostar do que Deus gosta. Isto é muito prazeroso, preciso exercer a liderança sem visar minha promoção, ou fama. Sem buscar elogios de homens, mas esforçando-me por ver os planos de Deus sendo realizados e capacitando, treinando cada vez mais pessoas para que eu possa executar outras tarefas.

Não mais verei meus bens como algo que atrapalha minha dedicação a Deus, mas como oportunidade de servi-lo com alegria e mordomia.

Minha vitória não está em sempre ir pelo caminho certo, mas em me dispor a nunca deixar de buscá-lo, toda liderança requer atenção, dedicação, oração e vida com Deus, estamos cuidando do corpo de Cristo, das almas e foi Jesus quem morreu por elas, portanto, elas são d’Ele, dê o seu melhor e se cuide para não cair nas armadilhas do erro e de planos que não são os de Deus para sua vida.

Líder você está disposto?

Por Josué Gonçalves

Liderar é uma arte e para isso o líder tem que estar disposto a renunciar às suas vontades, muitas vezes, para atingir o propósito estabelecido por Deus.   Mesmo não sendo fácil vamos analisar 7 erros que um líder não pode cometer. Isso vai ajudar nesta reflexão tão importante.

Vamos aos erros que não devem ser cometidos:

1) PERMITIR QUE OS APLAUSOS DO SUCESSO O IMPEÇAM DE CONTINUAR OUVINDO A VOZ DE DEUS. (Ap 3.14-22)

Quando o líder perde a sensibilidade para ouvir a voz de Deus, a tendência é se tornar um “profissional do púlpito” disfarçando uma espiritualidade e santidade que não tem, porque o orgulho provocou essa surdez no líder da igreja de Laodicéia (Ap 3). O orgulho é como uma infecção no ouvido do coração.

2) DEIXAR DE PRESTAR CONTAS (Hb 13.17).

Nada é mais perigoso do que viver sem ser supervisionado. Uma vida não supervisionada não é vivida com responsabilidade, portanto, a prestação de contas protege a integridade do líder. Líderes que prestam contas, vivem de forma responsável diante de Deus e dos homens.

3) PENSAR QUE A VIDA É FEITA SÓ DE TRABALHO (Mc 6.31).

O ativismo é um mau aplacador de consciência. Lembre-se, uma mente cansada não produz com qualidade e se torna vulnerável diante dos ataques do maligno. A principal causa do excesso de trabalho do líder, é a falta de limites. Quem nunca diz “não”,  entrega o controle de sua vida nas mãos dos outros, paga dívida que não fez além de se tornar um escravo da sua insensatez. O líder não deve sacrificar o importante no lugar do urgente. Tire férias, respeite o princípio da “pausa”, do “sábado”.

4) QUERER LIDERAR OS OUTROS SEM SER LÍDER DE SI MESMO (1 Tm 4.16).

O apóstolo Paulo disse a Timóteo, “Tem cuidado de si mesmo…”. Antes de liderar os outros, o líder deve ser líder de si mesmo, e isto tem a ver com domínio próprio sobre os impulsos, desejos, temperamento, emoções etc. Nenhum homem é livre se não aprendeu a governar a si mesmo.

5) PENSAR QUE É POSSÍVEL FLERTAR COM O PECADO E SAIR ILESO (2 Tm 2.22).

Sansão brincou de se deixar amarrar e amarrado ficou. Todos os líderes que conheço que brincaram com o pecado, saíram manchados, queimados, empobrecidos e vencidos. Gosto da frase do meu amigo Pastor Altamir: “Quem não quer perder para o pecado, não deve subir no ringue para competir com ele. “Lembre-se, o pecado sempre o levará para mais longe do que você imagina, cobrará um preço mais alto do que você está disposto a pagar. Não flerte com o pecado.

6) PASTOREAR A IGREJA E NÃO PASTOREAR A FAMÍLIA (1 Tm 3.12)

A liderança de um pastor é aprovada ou reprovada dentro da sua própria casa. O apóstolo Paulo foi radical quanto a isso quando disse, o homem chamado e vocacionado precisa governar bem a sua própria casa para estar apto a dirigir a casa de Deus (1 Tm 3). Sem uma família estruturada, qualquer pastor tem sua liderança questionada.

7) NÃO LEVAR A SÉRIO O PRINCÍPIO DA HONRA (Ef 6.1,2).

A mesma honra que a Bíblia exige dos filhos em relação aos pais, é exigida na relação dos liderados e líderes. O que produz a semente da honra? Longevidade e prosperidade. Deus não tem prazer na vida de um líder que não pratica o princípio da honra. Quem planta desonra, colhe vergonha.