Família da sociedade atual na UTI

Uma das maiores frustrações deste final de século é a crise que se abate sobre a família. A desagregação da família tira o brilho do progresso, das conquistas e da expansão do conhecimento que nosso século promoveu. Ver a família sendo destruída causa uma dor profunda na consciência dos que levam a vida a sério. O desmoronamento da família coincide com a crise da afetividade. A essência de nossas vivências está nos relacionamentos significativos, especialmente aqueles que se dão no âmbito de vida familiar. A afetividade é uma espécie de “cimento” na construção das relações humanas, e o homem do nosso século, preso às garras do individualismo, vai excluindo da sua vida a afetividade como algo relevante.

O que pensam os terapeutas?

Sob o ponto de vista terapêutico, cuidar da família implica um cuidado urgente de nós mesmos, especialmente no que se refere aos nossos sentimentos, pois eles é que dão sentido e consistência à nossa vida. Aprender a amar, a valorizar os outros a respeitar, a perdoar, um segundo cuidado urgente para salvar a família está na solidificação da relação marido/mulher, eixo básico dos relacionamentos familiares. Infelizmente, muitos filhos crescem sem ver sequer seus pais juntos, e outros, por sua vez, jamais viram os pais abraçados, vivenciando afeto e ternura. O modo de viver dos pais afeta diretamente o modo de ser dos filhos, por isso mesmo, assistimos a um crescimento assustador de filhos drogados, rebeldes, agressivos, apáticos e inseguros. Quando se fortalece as bases, toda a construção fica mais segura.

O que fazer então?

É fundamental para a saúde da família uma revisão dos nossos valores. Estes valores devem ultrapassar o limite do material e das coisas transitórias.
Quando um filho precisa de um brinquedo para sentir-se amado pelos pais;
Quando a esposa precisa de uma joia para sentir-se amada pelo marido, é sinal que nesta família os valores estão invertidos, pois as pessoas devem valer pelo que são e sentem e nunca pelo que possuem ou possam oferecer.
Sobretudo, os valores espirituais como fé, a esperança e o amor. Tentar “salvar” a família desta crise aguda sem a presença de Deus e a força do amor é, como disse Jesus, construir a casa sob areia. – ao primeiro vento forte tudo cai.
A família é um dos maiores bens que os seres humanos podem construir, entre um homem e uma mulher que se amam, a palavra já diz que somente o amor é o maior de todos os dons, que sem o amor de nada adiantaria ter todos os outros dons. Preserve sua família, preserve seus valores, princípios, peça a ajuda de Deus para viverem sempre um pedacinho do céu na terra.

Artigos Relacionados

Inscreva-se para receber Conteúdos exclusivos do nosso ministério

Fique por dentro de tudo que esta acontecendo no nosso ministério

2018-09-04T14:13:09+00:00